Câmara de Cuiabá debate Cardiopatia Congênita com especialistas do setor


As cardiopatias na infância, congênitas ou adquiridas, embora não sejam muito conhecidas pela população, têm se apresentado com certa frequência nos dias de hoje, representando um sério problema de saúde pública. A cardiopatia congênita é a anomalia mais comum e uma das principais causas de morte relacionadas a malformações do coração. A cada 100 bebês nascidos vivos, um é cardiopata. Estimativas dão conta que em nosso país, anualmente, nascem 23 mil crianças com problemas cardíacos, sendo que 80% desse total precisarão de uma cirurgia cardíaca. Foi em consonância a este processo que a Câmara Municipal realizou nesta sexta-feira (15), no Plenário das Deliberações, uma audiência pública para debater sobre a saúde das crianças com cardiopatia congênita em Cuiabá, visando à conscientização de todos sobre essa problemática, mediante o esclarecimento acerca dos procedimentos técnicos a serem adotados nos hospitais e maternidades da Capital. A audiência foi proposta pelo vereador Lúdio Cabral (PT), por sugestão da Associação de Apoio à Criança Cardiopata – “Pequenos Corações”, em alusão ao Dia da Conscientização sobre a Cardiopatia Congênita, celebrado no dia 12 de junho. Continue lendo

Audiência Pública debaterá sobre a Cardiopatia Congênita


Da Redação

A Câmara Municipal de Cuiabá promoverá uma audiência pública para debater sobre a saúde das crianças com cardiopatia congênita em Cuiabá. Esta proposição visa à conscientização de todos sobre essa problemática, mediante o esclarecimento acerca dos procedimentos técnicos a serem adotados nos hospitais e maternidades da Capital.
 
A Audiência, proposta pelo vereador Lúdio Cabral (PT), está prevista para acontecer no próximo dia 15, às 09 horas, no Plenário das Deliberações da Casa de Leis. O evento é alusivo ao Dia da Conscientização sobre a Cardiopatia Congênita, celebrado no dia 12 de junho.
 
Cardiopatia Congênita é qualquer anormalidade na estrutura ou na função cardiocirculatória, que surge nas primeiras oito semanas de gestação, quando se forma o coração do bebê. Ocorre por uma alteração no desenvolvimento embrionário da estrutura cardíaca. Uma a cada 100 crianças nascidas vivas tem algum defeito no coração, porém em algumas crianças isto só é descoberto anos mais tarde.
 
Somente um diagnóstico precoce pode determinar de uma forma correta, qual o melhor tratamento para se tentar evitar complicações e determinar a indicação de qual o melhor momento para se realizar uma cirurgia.
 
O diagnóstico precoce, durante a gravidez, é importante para o planejamento do parto e pode salvar a vida do bebê naquelas cardiopatias mais complexas. Os índices de mortalidade decorrente das cardiopatias congênitas seriam drasticamente reduzidos se todos os cuidados pré e pós natais fossem devidamente instituídos.
 
(Fonte: O Documento 04/06/2012)