Denyze Moraes:Mais uma história vitoriosa

A história vitoriosa da Denyze Moraes nos chegou por meio de uma carta dela para o pequeno Davi de Fortaleza. Ela leu sobre ele aqui e resolveu lhe enviar uma mensagem e aos seus pais… Nesta carta ela conta a sua história. Um bebê como Davi, que nasceu portadora de Cardiopatia Congênita (Tetralogia de Fallot). Com uma diferença: A sua história começou na década 70 e hoje na idade adulta é uma mulher que conseguiu ir longe, mesmo e apesar do que teve que enfrentar numa época em que a medicina nem sonhava com a tecnologia que há hoje… Ser cardiopata não lhe impediu nem ao menos de ser mãe! E hoje ela pode dizer  que  é realmente uma VITORIOSA!.

Leiam a carta/história dela contada para o Davi, mas autorizada a publicação aqui.

Durcila Cordeiro

Adm. do Blog, Mãe da Bia, Cadu e Caio

 

“Querido Davi,

Estou do outro lado do Atlântico, em Lisboa – Portugal, mas recebi sua mensagem que graças ao bom Deus tem chegado bem longe. Quando a li, fiquei com lágrimas nos olhos ao lembrar que também passei por tudo que você tem passado há 40 anos atrás e Deus também deu-me a benção de poder ir a São Paulo por duas vezes, operar-me e ficar boa. Quando ouço os meus pais contarem o que passaram para ir a São Paulo operar-me e como tudo aconteceu, percebo o tamanho da aflição que eles e outros pais passaram e passam para conseguir dar uma oportunidade aos seus filhos. Por este motivo acho louvável e dou graças a Deus que existam pessoas como você, pequeno Davi e seus pais, que decidiram-se por ajudar a outros que talvez não tenham a mesma oportunidade que nós tivemos. Já assinei a petição com muita alegria.

Conto-lhe agora um pouquinho da minha vida quando pequenina como você…

Quando eu nasci, minha mãe e meu pai notaram logo que eu tinha algum probleminha, pois eu era muito roxinha, não conseguia comer porque ficava muito cansada e tinha muita falta de ar. Na minha época, nem os médicos sabiam bem o que eu tinha e por isso, meus pais tiveram de andar de médico em médico até descobrirem o que era. Foram muitas opniões e sugestões, mas eu só piorava. Até que um dia, em que minha babá estava a passear comigo nos braços e foi até a casa de outra criança que morava perto da minha e também era um bêbê. Ela chamava-se Ana Maria Fontenelle e era filha de um grande cardiologista cearence, o Dr. Luís Carlos Fontenelle. Quando ele foi saindo de casa e viu-me, pediu para a minha babá dizer aos meus pais que ele queria falar com eles. Daí, ele conversou com os meus pais e disse que eu tinha a “Doença do sangue azul”, que era a Tetralogia de Fallot e que eu precisava operar-me imediatamente pois eu poderia morrer em uma das minhas crises de cansaço e falta de ar. Ah, ele também disse que operar, somente em São Paulo no Hospital das Clínicas. Devo muito ao Dr. Luís Carlos e sou amiga até hoje da filha dele.

Com a ajuda de Deus e de pessoas como vocês, cheias de boa-vontade para como os que precisam, as pessoas foram ajudando-nos com o dinheiro para as passagens, hospedagem, pedidos para ser atendida no hospital que era público, indicações para médicos, enfim, lá fomos nós.

Eu tinha 1 ano e precisava ter 15 quilos para ir para a máquina coração-pulmão. Como eu não tinha este peso, não podia fazer a cirurgia de correção total e precisei fazer uma cirurgia chamada Blalock-Taussig. Que em linguagem bem rústica é, retirar uma pedaço da artéria subclávia (veia da perna esquerda) e desviar o sangue para a artéria pulmonar. Assim, o pulmão receberia mais sangue com oxigênio e eu poderia esperar um pouco mais pela minha correção total. Os riscos eram enormes e eu era um pingo de gente. Enfim, mais uma vez, graças a todos, o Dr. Zerbini, que na época era o papa neste assunto no Brasil, marcou a minha cirurgia e apesar de não ter podido realizá-la, foi feita com a equipe dele. Eu saí dessa melhor e deu-me oportunidade de viver mais quatro anos até quando o Dr. Luís Carlos disse, tá na hora, se passar de uma determinada época, depois já não poderá fazer mais. E aí, foi tudo outra vez, só que dessa vez a cirurgia era ainda mais séria e os riscos muito maiores.

Minha mãe lembra que quando estavam a despedir-se de nós antes de embarcamos para São Paulo dessa vez, uma pessoa chegou para ela, olhou para mim e disse, “Ela é tão bonita, volte Denyze”. Imagino o desespero dos meus pais. Eles na época tiveram de pedir licenças para tratamento de saúde e ficaram a receber bem menos do que recebiam, pois foram muitas idas e vindas a São Paulo. Em todas elas, só a viagem de avião para mim já era um risco.

Enfim, após fazer cateterismo e todos os exames possíveis, lá fui eu para a Beneficiência Portuguesa, hospital particular, mas que, a pedido do governador do Ceará ao governador de São Paulo, foi-me facultado realizar a cirurgia lá.

Mais uma vez, Deus abençoou-me e quem fez minha cirurgia foi o Dr. Adib Jatene e sua equipe, que na época começavam a destacar-se. Foi uma cirurgia de altíssimo risco, tive o meu coração nas mãos do Dr. Adib e graças a Deus e a todos, ao final de muitas horas de cirurgia, eu sobrevivi.

Passei alguns dias como uma velhinha, bem curvadinha no hospital e vivenciei outros casos de crianças com problemas cardíacos que até hoje lembro. Meus pais, coitados, ganharam cabelos brancos ainda jovens e minha irmã mais nova, coitadinha, ficou um bocado de tempo sem os pais, mas sobrevivemos a tudo e hoje eu estou aqui a contar a minha história.

Muitos anos depois, já adulta, fui fazer um ecocardiograma e ao sair, o médico que me atendeu chamou-me e ele estava diante de um casal jovem, com o filho nos braços. Ele disse para eles, que choravam, não fiquem desesperados, há cura, vejam aqui esta jovem, ela fez esta mesma cirurgia há 30 anos atrás e está aqui muito bem.

É verdade, tudo o que quis fazer, eu fiz depois de operada. E veja lá que eu acabei por ficar com uma sequela da cirurgia que é uma extenose pulmonar leve. Mas eu eu fiz muitos esportes como futebol, voley, natação, também fui bailarina, dancei muito, corria muito. Tive o meu filho, que nasceu normal, amamentei-o e nunca deixei de fazer nada na vida por causa da minha condição de operada do coração.

Este foi o meu relato, não muito detalhado, pois seriam páginas de detalhes, mas creio que, no meio de tantos relatos de pais com filhos com este problema, ler o relato de alguém que já passou por isso há muitos anos e está bem e viva, é um conforto e uma esperança.

Mais uma vez parabéns pela iniciativa e Deus os abençoe, Davi, Luciana e Edgy.

Beijos a todos, Denyze Moraes”

Uma resposta

  1. Adorei sua história e minha filha Valentina também fez a mesma cirurgia que vc com três dias de vida, hoje ela está com 2 meses e ainda estou na batalha , sei que ela tb vai ter que fazer outra cirurgia, quando eu não sei mas tenho muita fé. BJS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: