• Calendário dos Cardiopatas

  • Livro da Isa

  • Arquivos

  • Vamos votar no Hospital do Davi !

  • Categorias

  • Comentários

    angela maria em Inesquecível = Thiago Saia…
    amigosdocoracao em Aprovado “Teste do Coraç…
    Francine em Vamos ajudar Bauruenses!
    iraceli donato em Rondonópolis – MT aprova…
    amigosdocoracao em Cardiologia e Neonatologia da…
  • Agenda

    fevereiro 2010
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
  • mais acessados

  • Crianças do coração!

  • Enquete

  • Meta

  • Autores

  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 73 outros seguidores

São José do Rio Preto faz o 1º transplante infantil de coração do interior do Brasil

Menino de 1 ano e 8 meses recebeu doação após três meses na UTI

Cirurgia abre possibilidade para novos transplantes na cidade

Emilio Sant’Anna Do G1, em São Paulo

Não faz muito tempo que ele começou a falar e talvez ainda nem entenda o que está acontecendo. No entanto, quando conseguir entender, vai saber que o dia 16 de fevereiro, uma terça-feira,  está marcado em sua vida para sempre. Desde às 13h, em São José do Rio Preto, esse menino de 1 ano e 8 meses se transformou na primeira criança do interior do país a passar por um transplante de coração.

Mais importante do que isso, desde às 16h seu coração novo bate sozinho, sem a ajuda de nenhum dos aparelhos que o mantiveram vivos nos últimos três meses. “Essa cirurgia abre uma nova opção para centenas de crianças com cardiopatias graves no interior do país”, diz o cirurgião cardíaco do Hospital de Base de São José de Rio Preto, Ulisses Alexandre Croti.

“Isso só foi possível graças à nobreza de uma família que perdeu sua filha ontem “

Até a segunda-feira (15), o coração que o menino recebeu, era o pouco de vida que resistia com dificuldades no peito de uma menina de 1 ano e 3 meses. Desde o dia 8 de fevereiro, ela estava internada na UTI do Hospital de Base, após ser atropelada em Rubinéia, cidade da região de São Jose do Rio Preto.

Na terça, Croti e mais vinte pessoas entraram no centro cirúrgico do hospital às 7h. Saíram de lá às 13h, levando com eles a expectativa do que aconteceria nas próximas horas.

A angústia acabou às 16h, quando Croti e sua equipe receberam a primeira informação de que o menino já respira sem a ajuda de aparelhos e consegue se comunicar com os pais.

Longa espera

Há 15 anos acompanhando o cotidiano de crianças com doenças cardíacas graves, Croti sabe o que significa para um paciente estar distante dos centros onde os transplantes são realizados. “Até hoje, todas as crianças tinham que ir para São Paulo para passar por um transplante”, afirma.

Sair da cidade em que moram, passar por uma cirurgia arriscada e ainda aguardar todo o período de recuperação longe de casa é um processo extremamente desgastante para qualquer adulto. Para uma criança, porém, muito mais.

Em 2002, um grupo de cirurgiões cardíacos infantis começou a ser formado, esperando o dia em que a primeira criança pudesse receber um novo coração lá mesmo

Há oito anos, isso já incomodava o médico e o Hospital de Base de São José do Rio Preto. Por esse motivo, ainda em 2002, um grupo de cirurgiões cardíacos infantis começou a ser formado, esperando o dia em que a primeira criança pudesse receber um novo coração lá mesmo.

O dia chegou, e alheio à comemoração, o médico sabe que as condições para que isso acontecesse sempre estiveram além de seu controle. “Isso só foi possível graças à nobreza de uma família que perdeu sua filha ontem (segunda-feira)”, diz Croti.

Às 18h da terça, a mãe da doadora voltou para Rubinéia. Ainda abalada, dá uma ideia da dificuldade da decisão no pior momento de sua vida. “No início não queria doar, mas quando entendi que poderia salvar a vida de uma outra criança resolvi permitir”, diz Maristela Aparecida Bivante, mãe da doadora.

(Publicado no G1 em 16/02/10 – 18h35 – Atualizado em 16/02/10 – 18h57)

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: