Uma centelha na escuridão…

 
dri e thi“Como é feliz o povo que aprendeu a (andar) na luz da Tua presença”.
(Salmo 89:15 NVI)

Nos monastérios antigos da Europa, os monges andavam por corredores escuros com velas nas pontas dos sapatos, que lhes davam apenas a luz suficiente para poderem ver o próximo passo.
E assim que Deus nos guia…
 
Assim tem sido desafiada a nossa fé diante dessa situação tão difícil que temos enfrentado: a tristeza e a dor de ter um filho no leito de uma UTI, sendo mantido por medicamentos e aparelhos, com os prognósticos os piores possíveis, sem previsão de alta, nem ao menos de possibilidade de continuar sobrevivendo, ou se sobreviver, de que forma seria essa sobrevida, diante da possibilidade de inúmeras seqüelas…
 
Mas em meio a esse túnel sombrio, Deus nos tem dado o seu “facho de luz” suficiente para vermos o necessário para o dia. Assim como Deus conduziu seu povo no deserto, com uma coluna de fogo à noite, para lhe guiar o caminho, e uma nuvem de dia, que lhes tapava o sol quente, sentimos que Deus tem nos conduzido em meio a nossa tribulação, nos dando o suficiente para termos esperança para mais um dia.
 
Ontem ainda chegávamos na UTI para a visita das 12h com a tristeza no olhar, pois ainda não sabíamos o que nos aguardava. De repente, ouvi o Daniel, pai do Ulisses (nosso querido e guerreiro companheirinho de quarto de UTI, também com meio coração, como o Thi) dizer: “Olhem, ele está com os olhões abertos”. Eu lavava minhas mãos na pia, de costas para ambas as caminhas, e já alegre, me virava para ver o Ulisses de olhos abertos, mas ele dormia… E o Daniel completou: “Não é o Ulisses quem está de olhos abertos não, é o Thiago!” Não pude acreditar no que meus ouvidos ouviam, e quase não acreditei no que meus olhos viram em seguida: meu menino, que há apenas dois dias havia passado por duas paradas cardíacas e um cateterismo de alto risco, já estando em coma há mais de dez dias, agora de olhos abertos, e piscando ao ouvir nossa voz!! Eu e o Paulo não contivemos nossas lágrimas, e ali, abraçados com nosso “Gigante” louvamos a Deus por aquela visão, que nos renovou todas as esperanças!
 
O Thiago não só abriu os olhos, como permaneceu com eles abertos durante toda a visita, e respondia piscando quando falávamos com ele. “Thi, você quer ver a vovó?” Uma piscadinha, como um “sim”. “Thi, você quer ir na sua escolinha, ver seus amigos e abraçar a Tia Lilian?” Outra piscadinha longa, como um “sim, é claro!” Nisso a neurologista entrou e pôde constatar a sua melhora, o examinou e deu uma nota “9” para o nível de consciência dele (nota essa que vai de 3 a 15, e que antes estivera, a exceção de um dia, em 3).
 
Não podemos expressar o tamanho da nossa alegria aqui, com palavras, pois é algo tão grande, tão profundo e maravilhoso, que só mesmo nós podemos sentir e desfrutar na sua totalidade. Sentimos que, em meio à escuridão da desesperança, Deus nos iluminou os olhos para enxergar um pouco do que será a surpreendente recuperação do nosso amado filhinho, pois o milagre será grande!
 
À tarde tivemos a mesma alegria novamente, mais uma vez o Thiago de olhos  abertos (a despeito de ainda estar tomando sedativos). Uma das médicas da equipe de cardio, que tem acompanhado o Thiago mais de perto, e conseqüentemente, tem sido a portadora das mais tristes e pesadas notícias, simplesmente parou ao nosso lado e falou: “O que eu posso dizer pra vocês? Ele (o Thiago) diz tudo!!” Ela não precisou se explicar mais, pois naquele momento sabíamos que a medicina se calou diante do sobrenatural de Deus. Eu ainda tive coragem de espezinhar: “Doutora, e os pulmões dele, melhoraram?” Mais um sorrisinho de quem antes esteve desacreditando e até mesmo duvidando que pudesse haver uma melhora significativa,mesmo com o cateterismo, e a resposta: “É impressionante, mas melhorou MUITO! O raio-x dele é outro, sumiram aquelas áreas esbranquiçadas que deixavam seus pulmões congestos (cheios de líquido).” ALELUIA! GLÓRIA A DEUS! E Deus mais uma vez usou a teimosia, inteligência e brilhantismo do Dr. José Pedro (que parecia ser o único a acreditar que o cateterismo pudesse melhorar o quadro pulmonar do Thi) para reverter uma situação que parecia sem volta. Louvores sejam dados ao nosso Deus! Aplausos mais uma vez para o Dr. José Pedro, pela sua coragem de submeter o Thi ao cateterismo naquelas condições, e por acreditar sempre!
 
Olhando para trás, percebo que eu queria todas as respostas ao mesmo tempo… Queria saber como seriam os dias do meu filho, em todos os detalhes… Queria sentir-me confiante diante das monumentais decisões diárias que precisava tomar… e ter alguma certeza de que eu conseguiria prosseguir e transpor os obstáculos à minha frente.
Eu queria ter o caminho inundado de luz… Mas foi com pequenas centelhas como as do brilho de uma vela que Deus gentilmente me lembrou que  “Minha graça é suficiente para você, pois o Meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2º Coríntios 12:9 NVI).
O Salmista disse: “Como é feliz o povo que aprendeu a… (andar) na luz da Tua presença” (Salmo 89:15 NVI).
Hoje eu só preciso de luz para enxergar meu filho no meio dessa escuridão toda. Luz para voltar a aprender a dar um passo de cada vez.E essa é a luz diária que Deus tem provido: uma centelha apenas, que pode iluminar toda a nossa existência!
Você também, com certeza, hoje só precisa dessa “centelha” para vencer mais um dia! 
Que Deus lhe permita enxerga a Sua luz nesse dia!
Amém!

Márcia Adriana
%d blogueiros gostam disto: