• Calendário dos Cardiopatas

  • Livro da Isa

  • Arquivos

  • Vamos votar no Hospital do Davi !

  • Categorias

  • Comentários

    Não existem comentários públicos disponíveis para exibição.
  • Agenda

    outubro 2009
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • mais acessados

  • Crianças do coração!

    DIA DA CARDIOPATIA CONGÊNITA SÃO PAULO CÂMARA DE VEREADORES

    DIA DA CARDIOPATIA CONGÊNITA SÃO PAULO CÂMARA DE VEREADORES1

    DIA DA CARDIOPATIA CONGÊNITA SÃO PAULO CÂMARA DE VEREADORES2

    DIA DA CARDIOPATIA CONGÊNITA SÃO PAULO CÂMARA DE VEREADORES3

    Mais fotos
  • Enquete

  • Meta

  • Autores

  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 55 outros seguidores

Sopro no coração dos bebês é perigoso?

 

0,,15625452,00Se você tomou um susto quando o pediatra disse que seu filho tem sopro no coração, acalme-se. A existência do sopro não significa obrigatoriamente que a criança vá ter problema cardíaco no futuro. Na maioria dos casos, os pequenos têm vida normal e não sentem nada. “O sopro cardíaco é o ruído entre as batidas do coração, quando há turbilhonamento do sangue.

Em alguns casos, pode desaparecer com o crescimento (sopro inocente), em outros, permanece. Nos casos mais sérios é preciso fazer uma cirurgia precoce. Se um problema grave é diagnosticado ainda na gestação, realizamos a cirurgia logo após o parto”, explica Maria Lúcia Passarelli, diretora de pediatria da Santa Casa de São Paulo e integrante do departamento de Cardiologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Cardiologia. É fácil descobrir o sopro, por uma simples checagem da pressão arterial e ausculta com o estetoscópio, quando se verifica a contração dos ventrículos. Outros exames também podem ser feitos, como eletrocardiograma, ecocardiograma e raio X do tórax. “Todo problema cardíaco tem que obrigatoriamente ser investigado”, lembra Maria Lúcia. A cada 1.000 bebês nascidos vivos, oito têm algum tipo de problema cardíaco congênito. Quando se trata dos que possuem algum tipo de síndrome, como a de Down, a incidência pode subir para 50%. Em todo caso, é necessário o acompanhamento do cardiologista infantil.

(Fonte original:Revista Crescer)

About these ads
%d blogueiros gostam disto: